Últimas notícias
 
Home
A Câmara
Notícias
Associados
Associar-se
Anunciar no site da CBC
Contato
Mapa do Site
Buscar no site

 
Como andam as coisas no segmento mundial de terminais? PDF Imprimir E-mail

Como andam as coisas no segmento mundial de terminais?

Relatório da Drewry faz uma análise da situação dos terminais no mundo todo, diante da diminuição dos mercados, aumento das embarcações e fortalecimento das alianças entre armadores

Redação

“Investir e operar terminais de contêineres foi, por muito tempo, uma atividade altamente lucrativa e resiliente”, declarou uma fonte na última edição do relatório Container Insight, publicado pela britânica Drewry Maritime Research. “No entanto, a indústria global de portos pode estar entrando em uma nova fase de seu desenvolvimento, na qual uma série de variantes cruciais estão se mostrando cada vez mais desafiadoras”.

E a Drewry explica a projeção:
• Crescimento refreado – Depois do aumento mundial de cerca de 11% na movimentação de contêineres entre 2001 e a crise financeira de 2008/2009, a indústria cresce agora a um ritmo de 5% apenas, com destaque para o ano de 2015, em especial, que não passou de 1%, e para a previsão de 2016, estabelecida abaixo dos 2,5% de crescimento.

• Desde 2009, o tamanho dos navios vem crescendo vertiginosamente, as embarcações são transferidas de uma rota para outra e os portos já sentem a necessidade de se preparar para o aumento do tamanho das embarcações.

• Os custos, tanto de capital quanto operacionais, ainda estão em pleno crescimento “enquanto a demanda está relativamente estática”, aponta a Drewry.

• Na negociação de contratos, os terminais enfrentam do outro lado do balcão as grandes alianças de armadores, que detêm muito mais poder de negociação.

• O número de portos e terminais capazes de receber os grandes navios ainda é limitado, e as alianças estão sujeitas a passar por mudanças em um future próximo, devido às grandes aquisições, o que deve aumentar ainda mais a volatilidade.

A Drewry ainda menciona grandes interesses em torno da privatização e aquisição de portos, a preços que vêm galgando novamente, depois de terem atingido níveis moderados com o fim da era do crédito facilitado característica da década de 2000. O resultado é que, para terminais e operadores do mundo todo, tem ficado cada vez mais difícil manter seus níveis históricos de retorno Financeiro, uma vez que “os custos têm subido de maneira notável, enquanto o crescimento da receita está cada vez mais lento.

A sugestão do relatório da Drewry para enfrentar o mercado e mitigar alguns dos impactos negativos dos grandes navios e alianças seria a cooperação entre as empresas, além da manutenção do embate na negociação de preços, mesmo diante da forte resistência das companhias de navegação. Alguns terminais, no entanto, devem aceitar as margens e retornos menores, deixar o mercado ou então deixar de investir no aumento da capacidade por retorno insuficiente.
Confira na íntegra o relatório da Drewry Maritime Research.


Fonte: Guia Marítimo.
 
 


 
 © 2018 CBC
Câmara Brasileira de Contêineres, Transporte Ferroviário e Multimodal
Rua Uruguaiana, n° 10 - Sala 1.508, 15° andar
CEP: 20050-090 Centro - Rio de Janeiro (RJ)
Tels: (21) 2263-1645 e 2233-2333
Tel/Fax: (21) 2233-9258

Realização: